O motor Ciclo Otto já está presente no dia a dia da maioria das pessoas. Por isso, conhecer esse sistema e entender o seu funcionamento é essencial para qualquer mecânico realizar a correta manutenção deste componente. 

Pensando nisso, reunimos abaixo tudo o que você precisa saber sobre esse motor de 4 tempos. Confira! 

Motor Ciclo Otto: tudo que você precisa saber

Como funciona o motor ciclo Otto?

Apesar do avanço dos carros elétricos, o motor de combustão interna ainda resistirá por um bom tempo no mercado. Nesse contexto, o motor ciclo Otto de quatro tempos é o mais utilizado pelos fabricantes. 

Por isso, é importante compreender o funcionamento desse tipo de motor, suas características e funcionamento para saber realizar a manutenção. 

Criado em 1876 pelo engenheiro alemão Nikolaus August Otto, o motor ciclo Otto possui alto rendimento energético, uma vez que aproveita a energia da queima do combustível nos cilindros. Para isso, esse motor funciona em quatro tempos, que acontecem de modo sucessivo, que são: admissão, compressão, expansão e exaustão. 

Admissão 

No primeiro tempo do ciclo, a válvula de entrada, ou admissão, permanece aberta, enquanto a válvula de saída é mantida fechada. Nesse momento, o pistão se move para acrescentar ar na câmara de combustão e, assim, aumentar o volume no cilindro.

Como o ar e o combustível entram juntos no componente, a pressão é mantida constante. 

Compressão 

Nesse segundo tempo, as válvulas de admissão e de escape permanecem fechadas, enquanto o pistão se movimenta, comprimindo a mistura de ar e combustível. Essa ação faz com que ocorra um aumento da pressão e, consequentemente, uma diminuição do volume da mistura. 

Expansão

Na terceira fase do ciclo Otto, as válvulas de admissão e escape permanecem fechadas, enquanto o pistão sobe. Nesse momento, a vela de ignição solta uma faísca, o que provoca a combustão da mistura de ar e combustível. 

Com esse processo de queima é gerada uma enorme quantidade de energia térmica, sendo parte dela utilizada para o movimento mecânico do veículo. Além disso, com o fornecimento de calor, a pressão do sistema é elevada, movimentando violentamente o pistão, o que causa o aumento do volume do cilindro. 

Exaustão

Nesse momento final, o pistão retorna à posição de início, garantindo maior volume ao cilindro. Em seguida, a válvula de escape se abre, enquanto que a válvula de admissão permanece fechada. 

Isso faz com que os gases queimados sejam lançados para fora. Assim que os gases são expulsos, o motor retorna à sua condição inicial, permitindo que o ciclo reinicie. 

O movimento de sobe e desce dos pistões gira um eixo de manivela chamado virabrequim. Esse eixo está ligado a engrenagens, que giram as rodas e, consequentemente, movimentam o veículo. É esse ciclo de funcionamento que dá o nome de motor de quatro tempos.

Quais são os componentes do motor ciclo Otto? 

Além de entender o funcionamento do motor ciclo Otto, é fundamental que o mecânico  conheça todos os elementos que compõem essa peça. Para facilitar, vamos dividir os componentes entre fixos e móveis. Veja só! 

Componentes fixos

  • Bloco do motor: responsável por alojar os cilindros bem como os suportes de apoio da cambota.
  • Cabeçote: fundamental para o bom desempenho do motor, já que determina a forma da câmara de combustão, a passagem dos gases de admissão e escape, além do funcionamento e comando das válvulas. 
  • Cárter: peça responsável por proteger e assegurar a lubrificação de certos mecanismos.

Componentes móveis

  • Pistão ou êmbolo: responsável pela transformação da energia térmica em energia mecânica, ou seja, o movimento do veículo.
  • Camisa do cilindro: proporciona ao conjunto um sistema fechado para os gases em expansão, assim como promove a troca térmica do calor gerado.
  • Biela: em motores a combustão, modifica o movimento retilíneo em um movimento circular contínuo.
  • Virabrequim: também conhecido por árvore de manivelas, é capaz de converter a força criada pelos pistões do motor que se movem para cima e para baixo.
  • Válvulas de admissão e escape: essenciais para o funcionamento do motor ciclo Otto, já que controlam o fluxo de entrada de ar e saída dos gases de escape.

Variações do ciclo de Otto

Além desse sistema que citamos acima, também existem variações do ciclo de Otto, como o Miller, Atkinson e Budack. Por isso, reunimos abaixo as principais diferenças entre cada um deles. Confira! 

Ciclo Miller

Esse ciclo consegue um efeito parecido com o motor ciclo Otto, mudando apenas o tempo de acionamento das válvulas de admissão. Sendo assim, em vez de fecharem quando o pistão volta ao ponto de início, as válvulas trabalham quando ele está voltando em direção ao cabeçote. 

Dessa forma, o ciclo Miller reduz o esforço sobre os pistões e mantém a mistura mais fria. Para evitar que parte da mistura volte ao sistema de admissão, esses motores contam com compressões mecânicas ou turbos. 

Ciclo Atkinson 

Nesse tipo de ciclo, o pistão se desloca mais na expansão que na compressão, ou seja, ele vai mais longe depois da queima. Dessa forma, o motor faz menos força na compressão, o que aproveita melhor a energia liberada, reduzindo as perdas por bombeamento. 

Apesar de o motor ser durável e econômico, a potência é menor quando comparado a uma unidade Otto tradicional. 

Ciclo Budack

Também chamado de Ciclo B, esse modelo também atua na abertura das válvulas. A novidade é que o controle varia a cada instante. Se o motor não está sendo exigido, o tempo de admissão é mais curto. Já em momentos em que o motor precisa de potência máxima, ocorre o inverso. 

Para isso, esses motores possuem muita eletrônica, sistemas hidráulicos avançados, quatro válvulas por cilindro, injeção dupla e turbo.

Atualize seus conhecimentos com a Escola do Mecânico 

O mercado automobilístico está em constante atualização, afinal são muitos os avanços tecnológicos que permitem melhorias no desempenho dos veículos. Sendo assim, investir em conhecimento é essencial para quem deseja trabalhar neste setor. 

Então, que tal ficar por dentro de todas as técnicas e se destacar no mercado? Na Escola do Mecânico, você encontra diversos cursos profissionalizantes e de qualidade na área da mecânica. 

Com custos acessíveis para todos os profissionais, a Escola também oferece opções de parcelamento e até bolsas de estudo para diversos alunos. Com aulas online e presencial, os cursos ensinam na prática tudo o que o profissional precisa saber para resolver problemas mecânicos com precisão. 

Quer saber mais? Clique aqui e confira todos os cursos disponíveis!