Todo mecânico automotivo já ouviu falar na injeção eletrônica, mas você sabe qual é a função real que este componente tem no funcionamento de um carro? Sabe em detalhes como é composto esse sistema?

Neste artigo, você entende melhor o que é a injeção eletrônica, para que ela serve, possíveis problemas que ela pode apresentar e cursos de capacitação que o ajudam a lidar com este componente do carro no dia a dia da oficina mecânica. Acompanhe!

O que é a injeção eletrônica?

A injeção eletrônica é um sistema que veio para substituir o carburador e tem como principal função determinar quanto combustível e ar deve ser fornecido ao motor do seu carro. Isso é feito a partir de um cálculo automatizado, que leva em consideração fatores como rotação do motor, velocidade do automóvel, fluxo de ar no motor, temperatura do motor, pressão atmosférica, entre outros. 

Esse sistema foi criado pensando em reduzir as emissões de gases dos automóveis, atendendo às novas necessidades do mercado e também às novas exigências legais. Por isso, ele é responsável ainda pela redução do consumo do combustível e um melhor rendimento do motor (que consegue rodar mais com menos litros de gasolina, evitando entupimentos por excesso de fornecimento).

Por fim, a injeção eletrônica é também o sistema que controla a marcha lenta, o tempo de ignição do carro (favorecendo uma partida mais rápida) e até mesmo o comando das válvulas de admissão e escape.

Como funciona uma injeção eletrônica

A injeção eletrônica funciona baseada em três componentes principais, que são os sensores, os atuadores e o processador de dados.

Os sensores, como falamos antes, estão posicionados em pontos estratégicos do motor do carro e mandam informações do que acontece em diversas partes do motor para o processador de dados.

O sensores de movimento, por exemplo, vão capturar a velocidade do sobe e desce dos pistões, enquanto o sensor de rotação confere a velocidade do giro do motor. Já os sensores de ar informam não só a quantidade de ar no motor, mas também a pressão a que está submetido. 

O processador de dados tem por sua função calcular a quantidade de combustível e ar a ser injetado no motor com base nas variáveis enviadas pelos sensores. Tomada esta decisão, ela será enviada para os atuadores.

Já os atuadores, por sua vez, irão receber o comando do processador de dados e implementar as mudanças necessárias no motor, variando o volume de combustível, assim como o ponto de ignição, o uso da marcha lenta, etc.

Entre os atuadores estão as bobinas, os injetores, o motor corretor de marcha lenta, a válvula purga canister, a bomba de combustível, o eletroventilador de arrefecimento e até mesmo a luz de avaria do sistema de injeção eletrônica.

Esse processo é todo integrado e acontece várias vezes durante um mesmo percurso que o carro faça, de maneira que em poucos segundos o sistema possa detectar novas condições e ajustar-se para uma melhor performance.

Como identificar problemas na injeção eletrônica

Quando algum problema acontece na injeção eletrônica, uma luz vermelha ou amarela acende no painel do carro. Essa luz normalmente é exibida na forma de um triângulo ou raio. Portanto, a luz acesa no painel é o primeiro indicativo de problemas.

Porém, nem sempre o diagnóstico é tão simples assim. Há outros indícios menos óbvios que também podem significar que há algo de errado no sistema de injeção eletrônica. Confira alguns deles:

  • Dificuldade de arrancar com o carro
  • Perda de potência durante a direção
  • Aumento sensível no consumo de combustível
  • Luz de injeção eletrônica acendendo apenas de forma esporádica e não constante

Seja como for, a primeira solução não é a substituição da injeção eletrônica, afinal, o problema pode ser apenas um mal contato em algum dos seus sensores, que pode ser resolvido. Antes de qualquer medida, use o scanner de leitura do sistema para garantir que você saiba o que está acontecendo em detalhes.

Escola do Mecânico: curso de capacitação de mecânico automotivo

O ensino tem uma grande importância na formação de um bom mecânico automotivo. Afinal, a mecânica não é uma área que permite evoluir baseando-se em errar e aprender, já que um erro no conserto de um carro pode comprometer a segurança do seu cliente ao volante.

Além disso, existem várias outras vantagens de investir na sua capacitação: você conseguirá oferecer um serviço diferenciado, cobrar mais pelo trabalho realizado, completar os serviços com mais agilidade e quem sabe até ter a sua oficina mecânica um dia.

Por isso, para investir na sua capacitação recomendamos que você conheça o programa de ensino da Escola do Mecânico, especialmente o curso de mecânica automotiva.

A Escola do Mecânico oferece há 10 anos um ensino de qualidade para formar o profissional que quer ser uma referência como mecânico. 

Curso de mecânica automotiva da Escola do Mecânico

Este curso tem 165 horas de aula, com um programa completo que aborda temas como tipos de motores, sistemas de alimentação (como a injeção eletrônica, por exemplo), sistema de lubrificação, tipos de óleos, diagnósticos de defeitos, o que é um motor ciclo otto, funcionamento da embreagem, tipos de transmissão, suspensão, funcionamento dos freios, entre outros assuntos.

O objetivo desta capacitação é preparar você para ser um mecânico automotivo com domínio completo do seu trabalho e pronto para lidar com situações reais que acontecem no dia a dia de uma oficina.

Além disso, a Escola do Mecânico também tem no seu programa de ensino módulos menores e mais específicos, como Elétrica e Injeção Automotiva, Alinhamento e Balanceamento de Direção, Troca de Óleo e Revisão Automotiva ou o curso de Ar-condicionado Automotivo.

Escolha o curso que você precisa para se tornar um mecânico automotivo mais completo e inicie os seus estudos!

Que tal continuar aprofundando as suas leituras e se tornando um mecânico automotivo cada vez mais completo? Aproveite para ver os artigos do nosso blog sobre 5 dicas para realizar uma troca de óleo, a hora certa para substituir o pivô de suspensão e os processos para uma manutenção de ar-condicionado automotivo correta. Boa leitura!