Um dos pontos mais discutidos em relação ao transporte de cargas é a poluição de ar causada pelo uso de diesel. É por isso que as autoridades buscam soluções para essa situação, e uma das mais populares é o Arla 32. 

Essa solução nada mais é do que uma combinação de ureia e água desmineralizada utilizada para reduzir a emissão de gases de escape provenientes da queima de óleo diesel. 

Neste artigo você vai entender um pouco mais sobre a utilização dessa solução. Continue a leitura!

Arla 32: para que serve e como usá-lo corretamente

O que é a solução Arla 32?

Desde 2012, a indústria automobilística e o setor de combustíveis passaram por grandes adequações. Afinal, é preciso encontrar soluções para evitar a emissão de gases de escape dos veículos provenientes da queima de diesel, que é um combustível altamente poluente. Neste contexto, o Arla 32 surgiu como uma boa alternativa. 

A sigla nada mais é do que a abreviação de Agente Redutor Líquido de Óxido de Nitrogênio Automotivo. Já o número 32 refere-se ao nível de concentração da solução de ureia (32,5%) em água desmineralizada. 

Essa solução age convertendo as partículas de óxido de nitrogênio (NOx) em nitrogênio e água. Dessa forma, reduz até 98% das emissões de óxido de nitrogênio, que além de ser um poluente, é nocivo à saúde e responsável por diversos males respiratórios. 

Por ser mais eficiente do que qualquer outra tecnologia semelhante, o Arla 32 passou a ser obrigatório no Brasil em 2012, ano em que os veículos pesados passaram a ser produzidos com tecnologia de Redução Catalítica Seletiva (SCR). 

Essa tecnologia SCR nada mais é do que um sistema de sensores que medem a qualidade das emissões de gases do veículo e também alertam o motorista sobre o nível de Arla 32 no tanque. 

Além disso, os veículos que possuem o sistema SCR contam com um reservatório específico para o reagente, localizado, geralmente, ao lado do tanque de combustível. 

Quando o produto acaba no reservatório, o sistema avisa no painel e o motorista tem até 48 horas para repor o reagente. Caso não seja reabastecido, o veículo perderá até 40% da potência.

 

Como o Arla 32 impede a emissão de poluentes?

Como falamos anteriormente, o Arla 32 é uma combinação de ureia e água desmineralizada. A ureia é a responsável por gerar uma reação química capaz de quebrar os óxidos de nitrogênio. 

Para isso acontecer é preciso acontecer um processo de duas fases. Na primeira, a ureia entra em contato direto com a água e se transforma em amônia, pelo processo de hidrólise. 

Já na segunda fase, a amônia reage com o óxido de nitrogênio, se transformando em nitrogênio puro e água. É dessa forma que o Arla 32 consegue evitar a emissão de até 98% de óxido de nitrogênio para a atmosfera. 

Mas atenção: para que a reação aconteça da maneira esperada é preciso utilizar a ureia técnica, que possui alto nível de pureza e, por isso, consegue fazer a reação corretamente. 

 

A importância da concentração correta

Além disso, lembre-se que a porcentagem de 32,5 de ureia de alta pureza deve ser respeitada na solução. Isso porque, caso não esteja no padrão recomendado, pequenas alterações de temperatura podem comprometer a qualidade do produto.

Quando as concentrações de ureia estão acima do indicado, o reagente pode apresentar cristalização. Já em concentrações abaixo da especificada, o Arla 32 pode apresentar a formação de cristais de gelo ou ureia, mesmo em temperatura ideal. 

Para saber se a concentração está correta, basta usar um refratômetro, instrumento óptico usado para medir índice de refração em substância translúcida. Dessa forma, ele permite visualizar a concentração de uma substância dissolvida em outra. 

É importante saber que adulterar ou usar o Arla 32 de forma errada gera multas, assim como em casos de fraude no uso do sistema de redução catalítica. 

Outro cuidado essencial é em relação ao tanque. Isso porque o uso de outra substância que não seja o Arla 32 pode danificar o catalisador, o que pode levar à perda total. Isso vale para o uso de água mineral também, o correto é usar a água desmineralizada para a reação. 

 

Qual o rendimento do Arla 32 e como usá-lo?

Em veículos pesados, como caminhões e ônibus, o Arla 32 apresenta um rendimento de 5%. Ou seja, para cada 20 litros de diesel é necessário 1 litro do reagente.

Por essa razão, o recomendado é encher o tanque do reagente uma vez a cada 3 ou 4 abastecimentos completos do tanque de combustível. 

Hoje em dia, o reagente pode ser encontrado em postos de combustível, distribuidoras ou até mesmo pela internet. Na hora da compra, certifique-se de que o produto possui o selo do Inmetro e a instrução ISO 22241.

Para empresas que administram grandes frotas, é possível negociar maiores quantidades do produto com distribuidoras. Assim é possível pagar um valor menor e garantir estoque para todos os veículos da companhia.

Outra questão importante é em relação à forma de conservação do Arla 32. Isso porque, em temperaturas médias de até 30ºC, o produto tem validade de 12 meses. Mas, caso a temperatura média seja de 30ºC a 35ºC, o prazo cai para 6 meses. 

Por isso, o Arla 32 deve ser guardado em um ambiente protegido da exposição à luz solar, pois acima de 35ºC o produto pode estragar. 

É importante ressaltar que essa solução não é explosiva nem inflamável, por isso oferece risco mínimo à saúde. Em casos de contato com alguma parte do corpo, basta lavar o local com água corrente.

 

Conclusão

Como já falamos anteriormente, o uso incorreto do Arla 32 pode levar a sérios problemas para o condutor e proprietário do veículo. Além de multa, isso também pode comprometer a performance do caminhão e prejudicar o funcionamento do catalisador, uma das peças mais caras do veículo. 

Por essa razão, é essencial que profissionais que atuam em oficinas mecânicas e atendem veículos pesados entendam o funcionamento do reagente e saibam explicar as consequências do mau uso para o veículo. 

Além disso, é importante saber fazer a leitura dos dados sobre o Arla 32 e substituir catalisadores danificados. Por fim, oriente o motorista sobre a importância de investir nesse reagente.